Estamos preparados para garantir segurança para você e sua equipe em nossos ambientes. Acesse o material completo com nossas medidas para prevenção do Coronavírus. Acesse agora Acesse

Cotidiano 01jul2020

Mulheres LGBTI na Inovação

No último domingo comemoramos o dia do orgulho LGBTI e ao longo do mês de junho acompanhamos em nossas redes eventos e conteúdos que nos ajudam a nutrir diálogos e ampliar a visibilidade para essa causa que é tão necessária para a conquista de direitos e respeito por parte da sociedade. Outra grande comemoração no […]

No último domingo comemoramos o dia do orgulho LGBTI e ao longo do mês de junho acompanhamos em nossas redes eventos e conteúdos que nos ajudam a nutrir diálogos e ampliar a visibilidade para essa causa que é tão necessária para a conquista de direitos e respeito por parte da sociedade.

Outra grande comemoração no mês de junho, aqui no Brasil, foi a recém conquistada lei de criminalização da LGBTI fobia, equiparada ao crime de racismo pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ocorrida em 13 de junho de 2019. 

A Advogada, Maria Eduarda Aguiar, membro da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) e primeira pessoa transsexual a adquirir o registro da OAB-RJ, foi quem conquistou o direito em audiência no STF.


(+) Veja também: Transgeneridade para Leigos


Assim como Maria Eduarda, outras mulheres LGBTI se destacam em diversos setores profissionais, econômicos e sociais pelo mundo inteiro. A Fast Company apresentou no final do mês a primeira lista das 50 mulheres inovadoras LGBTQ não binárias em negócios e tecnologia. A lista conta com nomes que vão desde artistas a CEOs de empresas de multinacionais. Destacamos 5 mulheres dessa lista e você confere a seguir.

 

ROSE MARCARIO – PRESIDENT AND CEO, PATAGONIA

A CEO Rose aparece como primeira na lista da fast company e também na nossa por um motivo muito especial: a Patagonia, que atua na área de vestuário e tecnologia outdoor, é uma empresa certificada B. Empresas B assumem um compromisso amplo e contínuo em causas sociais e ambientais, além de proteger interesses de funcionários, investidores e meio ambiente. Desde a sua entrada na Patagonia, ela avaliou os processos de produção e os revisou para serem mais ecológicos, eliminando o desperdício e o excesso de materiais de embalagem. Hoje, Rose luta ativamente contra as resoluções do governo Trump, pela proteção de terras de nativos americanos, desaceleração de consumo de recursos naturais e também está envolvida em uma frente de agricultura orgânica regenerativa.

 

STEPHENIE LANDRY – VP OF GROCERY, AMAZON

Com o desafio enorme de gerenciar os serviços de entrega da Amazon durante a pandemia, Stephenie Landry, vice-presidente da Amazon, agiu rápido anunciando medidas de segurança em resposta à críticas que a empresa sofreu com denúncias de falta de precauções por parte dos funcionários que estavam na linha de frente. Além do cuidado especial com pessoas, Laudry que está na companhia há mais da metade dos anos de abertura das operações, tem sido ativa na promoção da comunidade queer na Amazon. Ela é diretora executiva do grupo de afinidade gay, lésbica, trans e aliada da Amazon – internamente apelidado de “Glamazons” – que conta com mais de 5.000 membros em todo o mundo. O grupo ajuda os colaboradores a se conectarem e a organizar reuniões nos festivais do Orgulho em todo o mundo.

SHAMINA SINGH – FOUNDER OF MASTERCARD CENTER FOR INCLUSIVE GROWTH AND EVP OF SUSTAINABILITY, MASTERCARD

Singh é fundadora e presidente do Center for Inclusive Growth, centro filantrópico da mastercard, e vice-presidente executivo de sustentabilidade corporativa da empresa. Shamina conta em entrevista que a Mastercard reconhece sua responsabilidade e o papel que sua tecnologia pode desempenhar nos esforços contra a pandemia de COVID-19. Além disso, Singh orienta muitos jovens funcionários LGBTQ da companhia. Ela acredita que é importante que todos sintam que podem trazer toda a sua identidade para o trabalho. “Essa ideia de que você está escondendo algo por qualquer motivo retém toda a sua carreira”, diz Singh, que acredita que esse é um dos maiores desafios que os grupos sub-representados, incluindo profissionais LGBTI, enfrentam no avanço de suas carreiras.

“A única maneira de alcançarmos um crescimento inclusivo é construindo um mundo mais conectado, onde todos tenham acesso igual a uma vida melhor”

 

MONIQUE WOODARD – VENTURE CAPITALIST AND ANGEL INVESTOR

Como a primeira mulher negra parceira a organizar um  fundo de investimento de risco para a 500 Startups, empresa de risco e participações privadas, Woodard apoiou fundadores de  empresas de propriedade negra, como a startup de mídia Blavity e a empresa de tecnologia jurídica Court Buddy. De 2016 a 2018, Woodard – que anteriormente co-fundou uma rede de empreendedores de tecnologia negra, a Black Founders – liderou um microfundo de US $ 25 milhões em 500 Startups que se concentrava em investir em startups lideradas por fundadores negros e latinos. Desde então, Woodard deixou a 500 Startups para abrir seu próprio fundo, a Cake Ventures, e também fez seu nome como investidora anjo, apoiando empresas como a Mented Cosmetics, uma marca de beleza direta ao consumidor de e para mulheres negras.

 

VIVIENNE MING – THEORETICAL NEUROSCIENTIST AND COFOUNDER, SOCOS LABS

 

Vivienne Ming foi responsável pelo desenvolvimento de um modelo preditivo de diabetes até a criação de um aplicativo baseado em IA com sua co-fundadora (e esposa), Norma Ming, para ajudar as crianças a desenvolver habilidades para a vida, como resolução de problemas e empatia. Vivienne Ming, que é trans e tem um olhar especial para pesquisas sobre equidade e inclusão. Ela passou um tempo calculando “ o imposto sobre ser diferente ” – basicamente, o custo de não ser um homem branco hétero – e consultou a ONU para usar a neurociência e a IA para melhorar a contratação e retenção de candidatos no local de trabalho. 

A lista completa das 50 mulheres LGBTQ  inovadoras em negócios e tecnologia você pode acessar aqui.

 

Nex Conteúdo

15 min.
01jul2020
Cotidiano

Veja também: