Cotidiano 26jun2017

Mulher Maravilha e a arte de contar boas histórias

“Aqueles que contam as melhores histórias governam a sociedade”. A frase é de Platão, que viveu na Grécia Antiga, mas se mantém muito atual. O storytelling, termo que traduz a ação de contar histórias de forma interessante, é hoje a palavra mais popular dentro da publicidade. Uma pesquisa recente da NewsCred indicou que quase 80% […]

Aqueles que contam as melhores histórias governam a sociedade”. A frase é de Platão, que viveu na Grécia Antiga, mas se mantém muito atual.
O storytelling, termo que traduz a ação de contar histórias de forma interessante, é hoje a palavra mais popular dentro da publicidade. Uma pesquisa recente da NewsCred indicou que quase 80% dos diretores de marketing acreditam que o conteúdo é onde o futuro da propaganda está. Dois terços também acham que associar um conteúdo de qualidade à marca é uma das formas mais eficientes de gerar engajamento com o consumidor.
Uma história bem contada é o que determina a experiência do público, para o bem e para o mal. Para entendermos melhor essa questão, podemos olhar um pouco para o cenário atual do mercado cinematográfico, voltado essencialmente para a cultura de blockbusters e grandes entretenimentos.
SUPER-HERÓIS NO CINEMA
Faz quase uma década que os filmes de super-heróis se tornaram atrações frequentes nas salas de cinema, sempre com faturamentos milionários que e volta e meia figuram na lista de maiores bilheterias da história. O gênero se consolidou e tomou forma por meio de personagens como Homem de Ferro, Batman e Capitão América.
Por trás desse sucesso estão duas grandes companhias: a Marvel Studios, subsidiária da Disney, e a DC Films, associada à Warner Bros. Pictures. A primeira foi a pioneira nesse mercado, lançando filmes anualmente desde 2007 e criando um universo cinematográfico abrangente e conectado, enquanto a segunda, dona de personagens icônicos como Superman e Batman, se viu obrigada a seguir o mesmo caminho a partir de 2013 para não perder relevância no setor.

Enquanto filmes da Marvel, como Os Vingadores (2012) e Guardiões da Galáxia (2014), explodiam em popularidade, receita e críticas positivas, a DC penava para alcançar o mesmo patamar. Man of Steel (2013) e Batman v Superman (2016) não tiveram o sucesso esperado mesmo contando com alguns dos super-heróis mais conhecidos do mundo.
Roteiros fracos, produções apressadas e personagens mal explorados foram as principais críticas que a filiada da Warner recebeu. Dentro desse contexto, o anúncio de que a Mulher Maravilha ganharia seu primeiro filme solo em 2017 (75 anos depois de fazer sua estreia nos quadrinhos) deixou muitos fãs receosos.
A DC iria conseguir levar para os cinemas a essência da personagem, apresentando de forma convincente todos os elementos que compõem o universo no qual ela está inserida (como a mitologia grega e a sociedade feminina e matriarcal das Amazonas) depois dos tropeços nos primeiros filmes?
O TRIUNFO DO ROTEIRO
Sim, iria. A crítica especializada e os fãs assíduos teceram elogio sobre elogio para o filme após o seu lançamento (ocorrido no último dia 01 de junho), desde a produção e o figurino até as atuações (com destaque para a atriz israelense Gal Gadot no papel principal).
E tudo isso só se tornou realidade porque o filme é construído em cima de uma história forte, divertida e universal. Patty Jenkins, a diretora do longa, optou por fazer uma abordagem simples e direta da princesa Diana, personagem principal da trama.
O roteiro nos apresenta de forma direta os elementos necessários para compreendermos a construção da personalidade da protagonista. Sem entrar em muitos spoilers, por meio de diálogos bem construídos podemos entender desde sua origem e aptidão guerreira até sua relação com o mundo do começo do século XX, época em que o filme se passa.
A nuance do roteiro ao sair da zona de conforto e levar a história para o passado contribui para discutir melhor alguns temas importantes para o desenrolar do filme, como a representação feminina na sociedade, com fortes regras sociais que impediam (e ainda impedem) as mulheres de assumirem papeis de protagonismo.
No final, cria-se uma conexão emocional consistente entre o público e os personagens que, aliada à simplicidade e clareza com que a trama é construída, torna a experiência gratificante para quem está assistindo. Ou seja, uma história bem contada transformou Mulher Maravilha no melhor filme da DC até agora, mesmo não tendo o mesmo investimento de produções anteriores.

TODO MUNDO PRECISA CONTAR BOAS HISTÓRIAS
O sucesso do filme da Mulher Maravilha é só um exemplo de como um bom storytelling pode transformar positivamente qualquer cenário. Trabalhadores, empresas e líderes precisam saber como contar uma boa história para se comunicar de forma mais eficiente com quem está ao seu redor. Quem vende uma imagem forte e distinta em cima de um conteúdo bem construído consegue se destacar no mercado sem precisar de grandes investimentos.
E para criar um bom storytelling, você deve estar atento a alguns pontos bem importantes:

  • É preciso entender o que é interessante para o público, não só para você. Seja o mais universal possível na hora de criar.
  • Defina a essência da sua história e qual é a forma mais curta de contá-la. Isso pode se tornar um excelente ponto de partida para novas ideias.
  • Identifique-se com as situações e os personagens que estão sendo criados para que não surja nada muito inverossímil para o público.
  • Crie uma curva dramático crescente e bem estruturada, apresentando de forma clara os conflitos e desafios da trama, além de pensar em boas soluções para cada um deles.
  • A primeira ideia quase nunca é a melhor. Saia da sua zona de conforto e experimente novas abordagens. Dessa forma, você vai acabar surpreendendo a si mesmo e, consequentemente, o público também.

Como foi dito no começo do texto, boas histórias são uma das melhores formas de chamar atenção. Elas ajudam a fixar ideias e a persuadir de forma mais eficiente quem é impactado. O próprio filme da Mulher Maravilha lançou uma nova discussão sobre feminismo e representatividade apenas abordando esse tema de forma concisa e clara.
Histórias inspiram e motivam. Criam laços e entretém. Como previu Platão milhares de anos atrás, no mundo cada vez mais conectado de hoje só vão se destacar aqueles que contarem as melhores.

Nex Conteúdo

15 min.
26jun2017
Cotidiano

Veja também: